Óleos essenciais: O que são?

Óleos essenciais: O que são?

Óleos essenciais são utilizados há milhares de anos, sendo que seus primeiros registros foi no Egito Antigo por volta de 1600 a.C.. E ao longo dos anos a humanidade foi utilizando os óleos de plantas para finalidades terapêuticas, religiosas entre outras. Hoje ouvimos falar muito dos óleos essenciais, no contexto da fitoterapia, aromoterapia, e também na área da beleza. E apesar de terem muitos benefícios atestados cientificamente, para seu uso de forma segura é necessário conhece-los.

O que são óleos Essenciais?

São misturas complexas de substâncias voláteis, lipofílicas, em geral aromáticas e líquidas, conseguidas a partir de matérias-primas vegetais (raiz, caule, flor, folha). E obtidos por meio de algumas técnicas especificas, mais comumente, a destilação por arraste à vapor. São normalmente líquidos de aparência oleosa, em temperatura ambiente, e vem daí a denominação de óleo. Apesar, de serem diferentes dos óleos vegetais que são uma mistura de substâncias lipídicas.

Entretanto a principal a característica dos óleos essenciais são a volatilidade (evaporam com mais rápido), e normalmente tem um aroma agradável e intenso. Por isso, são chamados de óleos essenciais ou essências.

O número de componentes químicos de um óleo essencial costuma variar de 20 a 200..

Até o momento, mais de 3.000 substâncias químicas distintas foram detectadas em óleos essenciais.

São eles: hidrocarbonetos terpênicos, álcoois simples e terpênicos, aldeídos, cetonas, fenóis, ésteres, éteres, óxidos, peróxidos, furanos, ácidos orgânicos, lactonas, cumarinas, até compostos com enxofre.

 Os óleos essenciais variam muito, às vezes devido a causas genéticas, mas também devido ao clima, chuva ou origem geográfica. 

Importante

Óleos voláteis obtidos de diferentes órgãos de uma mesma planta podem apresentar composição química, características físico-químicas e odores bem distintos. Vale lembrar que a composição química de um óleo volátil, extraído do mesmo órgão de uma mesma espécie vegetal, pode variar significativamente de acordo com época de coleta, condições climáticas e de sol.

Usos

Os óleos essenciais são amplamente utilizados nas indústrias cosméticas, farmacêuticas, medicinais e alimentícias como agentes antibacterianos, antifúngicos e antivirais. 1 Eles possuem atividade antioxidante e anti-inflamatória, 2 atividade anticâncer, 3 promovem a cicatrização de feridas, 4 podem substituir os conservantes usados ​​convencionalmente, 5 pesticidas e desempenham muitos outros papéis biológicos. Numerosas atividades biológicas dos óleos essenciais e seus constituintes são amplamente utilizadas para prevenir e tratar muitas doenças.

Dessa forma, podem ser utilizados principalmente :

Aromaticamente: Como, os óleos essenciais chegam ao sistema nervoso central, ele é muito utilizado para proporcionar efeitos ansioliticos, revigorantes entre outros.

Topicamente: Óleos essenciais são facilmente absorvidos pela pele. Podendo trazer diversos benefícios.8 Existem estudos até de utilizar esses óleos para ajudar na penetração de fármacos. No entanto, por poderem causar irritações e também serem voláteis, é comum usar um óleo vegetal, ou óleo neutro, chamados de óleos carreadores.

Oralmente: Apesar, de ser ponto de grande discussão, os óleos essenciais, podem ser ingeridos e absorvidos, por essa via. Portanto, também produzem efeito.

óleos essenciais

Efeitos Adversos

Os efeitos adversos dos óleos voláteis também têm relação com a sua lipofilia e ação irritante local.

A ingestão de doses tóxicas provoca uma ação irritante sobre o trato gastrintestinal, com náuseas, vômitos e diarreia. À gastrenterite relaciona-se com uma hiperemia uterina, que poderia explicar a ação abortiva de alguns óleos quando utilizados de forma errônea. No entanto, a atividade abortiva também é causada pela lesão nos vasos e por alterações no metabolismo.

Após a absorção, pode ocorrer irritação renal com retenção urinária, com apresentação de sangue na urina. A administração de doses elevadas também pode levar a lesões hepáticas. Como são misturas de
componentes lipofílicos, os óleos voláteis também chegam ao Sistema Nervoso Central. As intoxicações provocam dores de cabeça e vertigens. Podem ocorrer excitação, convulsões e parada respiratória.
Os óleos voláteis e drogas que os contêm, também aqueles utilizados em cosméticos e como condimentos, podem causar reações alérgicas.

O uso externo pode provocar dermatites de contato, enquanto o uso interno pode levar a alergias alimentares.
Também é importante considerar que alguns componentes dos óleos voláteis apresentam toxicidade por si próprio, que não está relacionada à superdosagem e, sim, a características estruturais específicas. Como exemplo pode ser citada a atividade carcinogênica de alguns fenilpropanoides.

Janaina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: