Uma breve história da Farmácia

Uma breve história da Farmácia

Muita gente me pergunta : “- Por que Bruxa de Farmácia?”

E apesar dessa relação ser bem clara na minha cabeça, quase ninguém entende: – que afinal, eram as bruxas, farmacêuticas.

Eu poderia dizer que a farmácia, assim como a bruxaria, são tão antigos quanto a história da humanidade. Mas acontece, que anteriormente ao século XIX, esses conceitos se confundem.

Um conceito para Farmácia

Pharmakon, palavra grega que dá origem a farmácia, é definida como qualquer substancia capaz de causar efeito no organismo, seja ela para cura ou um veneno. Pharmakeus, era usado para designar o preparador de medicamentos, feiticeiro ou envenenador.

Hoje podemos falar que a Farmácia , é a ciência e arte relacionada à preparação e padronização de medicamentos. Portanto, é competência do farmacêutico, o cultivo, preparo e estudo da Natureza ( plantas, animais e minerais), para fins terapêuticos. É o profissional, mais qualificado em lidar com medicamentos, sendo seu dever, trabalhar juntamente com outros profissionais da saúde, para obter maior sucesso na cura do paciente.

Um pouco de História

Deter o conhecimento das plantas é deter o conhecimento da vida e da morte

Como já mencionado, o conceito de bruxaria e farmácia se misturam ao longo da história, mas podemos afirmar que, são tão antigos quanto a humanidade. Desde que o homem começou a fazer seus primeiros registros já tínhamos indícios desses conceitos.

Seja por instinto ou por observação aos outros animais, o homem usou a água fria, lama ou folhas, para acalmar a inflamação e por experimentação passou a usar aquilo que serviu melhor. E apesar de rudimentar, esse método do homem das cavernas ainda é usado nos dias de hoje – um exemplo é o óleo de copaíba, que ao observar os animais feridos se arrastarem na árvore, surgiu o interesse em pesquisar, e hoje sabemos que é um excelente cicatrizante e anti-inflamatório.

E com a formação das primeiras sociedades, o detentor dos conhecimentos da Natureza, passam a ser não somente o curandeiro, mas também o guia espiritual. Afinal, esses fenômenos naturais são eram atribuídos as divindades.

Na Babilônia, frequentemente chamada de berço da civilização temos os primeiros registros (2600 a.C), onde primeiramente registravam os sintomas da doença, seguidos da invocação dos deuses, e os métodos naturais para cura. Já compunham os registros a erva-doce e o alcaçuz.

Embora, a medicina egípcia seja datada de cerca de 2900 a.C, o mais conhecido e importante registro farmacêutico é o “Papyrus Ebers” ( 1500 a.C.), que contava com mais de 800 prescrições. Com diversos medicamentos de origem animal e vegetal, como o mel, a teia de aranha, leite e vaca, rícino, alho, aloe vera.

Outras civilizações tem grande destaque, na história da farmácia como a China e a Índia.

Na Grécia e Roma, já a haviam indícios da separação do farmacêutico e do médico. Sendo de origem grega a palavra farmácia.

Culto a Asclépio

o deus solar Apolo, era também Deus da Saúde devido as propriedades profiláticas do sol. Seu filho, Asclépio, considerado deus da medicina, arte que teria sido ensinada pelo centauro Quirón e uma serpente também o ensinara a usar determinada planta para trazer os mortos de volta a vida. Existiam vários templos de culto ao deus onde os sacerdotes, se dedicavam a cura de doentes.

Apagaram- se as Luzes (Idade média)

Após ascensão do cristianismo, o ponto de vista começa a mudar. Com o sacrifício de Jesus Cristo, tornara possível a salvação do pecado, permitindo que os homens alcançassem o céu e a vida eterna, com a consequente erradicação da doença. Contudo, esse processo necessitava de uma provação terrena, onde a dor física causada pela doença era algo necessário.

Da mesma forma que nas culturas pagãs, a doença era causada por alguma divindade, mas agora já não poderia ser curada por outra.

O Deus único do cristianismo tinha a doença, não só como punição, mas como necessário para evolução do espírito. E ai surgiu a religião curativa, onde o mesmo Deus que dá a doença também pode dar a cura. Sendo que a bíblia trás relatos de ações curativas de Jesus Cristo, prática continuada pelos seus apóstolos.

No entanto, a condenação ao culto a aos deuses, se tornou notável, e estes não eram ficção eram demônios, que causavam vários males aos homens, possuindo-os e enganando-os.

E apesar dos cristãos usarem os princípios da medicina greco-romana, as práticas eram condenadas.

Dos eventos que se seguiram, é importante enaltecer o surgimento das escolas de medicina no século XII, e a Santa Inquisição. Mulheres não podiam entrar para as universidades, e as que praticavam de forma artesanal eram consideradas bruxas. Cenário que perdurou até o século XVII.

Ascenderam-se as luzes

Com o Iluminismo, a história começa a tomar novo rumo, e o conhecimento se torna o novo interesse. Muito se aprendeu, desde então, e foi o passo inicial para chegarmos no mundo que conhecemos hoje.

Foi nessa época o surgimento do primeiro fármaco, isolado da casca do salgueiro, que já era usada desde o “Papirus Ebers” – O Ácido salicílico, que aliviava as dores mas causava sangramentos estomacais. Posteriormente este foi convertido ao ácido acetilsalicílico, forma que causava menos efeitos colateiras.

E este foi o marco para o início da Industria Farmacêutica,

Para ler mais sobre o assunto

Da história da farmácia e medicamentos

Janaina

18 comentários sobre “Uma breve história da Farmácia

  1. Gosto muito de conhecer a história de tudo. Durante muito tempo ficávamos assustadas quando se falava em bruxas,em Idade Média mas tudo tem história e toda história tem seu contexto,seu tempo,esse conhecimento só abre mais nossa mente, para compreender melhor,o que eram e faziam de fato essas mulheres, num tempo em que a ignorância alimentava o medo.
    Amei seu artigo.bjus.

  2. Olá!Adorei saber sobre o marco para o início da Industria Farmacêutica.
    As plantas medicinais realmente curam as enfermidades e com a evolução vem se aprimorando em forma de remédios pelos sábios e qualificados.
    Post bem informativo!Bjss

  3. A farmácia tem uma história longa , desde o início dos tempos , das plantas até as químicas. É bom adquirir mais esses conhecimentos que você compartilhou.

  4. Adorei conhecer a história do início da farmácia e perceber que a verdadeiramessência se perdeu um pouco pelo caminho. Atualmente o interesse financeiro fala mais alto. Acho fantástico o conhecimento das ervas que ainda resiste em muitas culturas, sem contar esse lado místico que também é fascinante.

  5. É engraçado que as vezes temos as coisas ao nosso dispor e não sabemos a origem, gostei de saber sobre a origem da farmácia, achei bem interessante, pois sinceramente nunca havia parado pra pensar nisso …

  6. OLá, tudo bem?

    Eu já imaginava que a história da farmácia fosse antiga e longa, bem como rica em detalhes. Achei a publicação muito legal e interessante, gostei de conhecer mais informações sobre a área.
    Parabéns pela publicação!
    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: